Homem matou filho, ex-mulher e familiares dela na virada para o ano novo.
12 pessoas foram assassinadas; três estão hospitalizadas.

Chacina em Campinas - Homem mata ex-mulher, filho e familiares

Doze pessoas são mortas durante festa de réveillon em Campinas

Homem matou ex-mulher, filho e familiares; atirador se matou após crime.
Três feridos permanecem internados em hospitais do município.

Doze pessoas foram assassinadas em uma chacina na virada do ano, entre a noite deste sábado (31) e a madrugada deste domingo (1º), durante uma confraternização de família, em Campinas (SP). O atirador se matou após o crime.

Onze vítimas morreram no local e outra no Hospital de Clínicas da Unicamp. Três pessoas continuam internadas em hospitais do município.
Entre os mortos estão a ex-mulher, o filho de 8 anos e familiares. 

Segundo informações do boletim de ocorrência, o técnico em laboratório na área de ciência e tecnologia Sidnei Ramis de Araujo, de 46 anos, pulou o muro da residência onde acontecia a festa de ano novo e entrou efetuando disparos.

Em depoimento, uma testemunha disse na delegacia que achou que eram fogos, mas percebeu a situação ao ver um tio caído no chão, por isso, correu e se trancou em um banheiro para chamar ajuda.

Guarda do filho

Emoção na retirada dos corpos após o crime
Emoção na retirada dos corpos após o crime

A testemunha ouviu o atirador dizer que ia matar a ex-mulher porque ela tirou a guarda do filho e que depois disso, a criança falou que ele tinha matado a mamãe e na sequência, foram mais dois disparos e um silêncio.
Uma outra testemunha achou que era um assalto quando um dos feridos entrou em sua casa baleado na perna.

Família foi morta durante festa de ano novo
Família foi morta durante festa de ano novo

Áudio de desculpa

O caso foi registrado como homicídio qualificado, seguido de suicídio no 4º distrito policial de Campinas. Em poder do atirador, a polícia encontrou uma pistola calibre 9 mm com dois carregadores, com número raspado, munições, canivete e dez artefatos aparentemente explosivos.

No carro do atirador foram encontrados um celular com a senha anotada na frente e um gravador de voz, que contém um áudio de Araujo onde ele se desculpa por algo que iria acontecer, sem mencionar explicitamente o ocorrido, além de frases de indignação contra a mãe da criança.

O autor do crime estava em processo de separação da esposa, segundo a Polícia Militar. O crime ocorreu na Rua Pompílio Morandi, na Vila Prost de Souza, próximo ao Shopping Unimart.

Arma usada pelo atirador para matar família
Arma usada pelo atirador para matar família 

Feridos

Um dos feridos foi levado para o Hospital de Clínicas da Unicamp e está em cirurgia. Já outra passou por cirurgia no Celso Pierro.

O terceiro ferido passou por cirurgia no Mário Gatti e está estável.

Homem matou 12 pessoas em Campinas durante a festa de Réveillon em Campinas
Homem matou 12 pessoas em Campinas durante a festa de Réveillon em Campinas

Veja quem são as vítimas da chacina em festa de réveillon em Campinas

O atirador foi identificado como Sidnei Ramis de Araujo, de 46 anos. Segundo a polícia, ele é ex-marido de uma das vítimas. Entre os mortos, está o filho do casal.

Veja abaixo quem são as vítimas:

- Isamara Filier
Ex-mulher de Sidnei. Tinha 41 anos e estava em processo de separação, de acordo com informações da Polícia Militar e de processos judiciais na Vara da Família. Estava disputando com Sidnei a guarda do filho de 8 anos, João Victor Filier de Araujo, na Justiça. Ela morreu no local.

- João Victor Filier de Araujo
Filho de Isamara e Sidnei. Tinha 8 anos e estava na festa de confraternização com a mãe e familiares. Foi o último a ser atingido antes do pai se suicidar, e morreu no local.

Isamara e o filho João Victor foram assassinados pelo ex-esposo dela, e pai do menino, em Campinas
Isamara e o filho João Victor foram assassinados pelo ex-esposo dela, e pai do menino, em Campinas

- Rafael Filier
Rafael tinha 33 anos e era irmão de Isamara. Ele foi atingido na festa e morreu no local.

- Liliane Ferreira Donato
Liliane tinha 44 anos, era casada e morreu no local. O marido dela está entre os feridos hospitalizados em Campinas. Foi na casa dela que a tragédia aconteceu. Isamara e Rafael eram primos dela e das irmãs [abaixo].

- Alessandra Ferreira de Freitas
Alessandra era irmã de Liliane. Tinha 40 anos e morreu no local.

Alessandra, a ex-mulher do atirador e Liliane; todas morreram na chacina em Campinas
Alessandra, a ex-mulher do atirador e Liliane; todas morreram na chacina em Campinas 

- Antonia Dalva Ferreira de Freitas
Antonia Dalva, de 62 anos, era mãe de Liliane e de Alessandra. Também foi atingida e morreu no local.

- Abadia das Graças Ferreira
Abadia, de 56 anos, era irmã de Antonia Dalva. Foi atingida e morreu no local.

- Paulo de Almeida
Paulo tinha 61 anos e era marido de Abadia. Foi atingido no momento dos disparos e morreu no local.

Abadia e Paulo eram casados e foram assassinados na chacina em Campinas.
Abadia e Paulo eram casados e foram assassinados na chacina em Campinas.

- Ana Luzia Ferreira
Ana era irmã de Antônia Dalva e Abadia. Tinha 52 anos e morreu no local.

- Larissa Ferreira de Almeida
Larissa tinha 24 anos. Era filha de Ana. Foi atingida pelos disparos e morreu no local.

Ana e Larissa são mãe e filha e também foram assassinadas na chacina de Campinas
Ana e Larissa são mãe e filha e também foram assassinadas na chacina de Campinas

- Luzia Maia Ferreira
Luzia, de 85 anos, era mãe de Antonia Dalva, Abadia e Ana, e avó de Liliane, Alessandra e Larissa. Chegou a ser socorrida para o Hospital de Clínicas da Unicamp, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. Ela tem um filho, de 58 anos, que está entre os feridos hospitalizados em Campinas.

- Carolina de Oliveira Batista
Carolina tinha 26 anos era solteira e morreu no local. O pai dela está entre os três feridos que estão hospitalizados em Campinas. Ela deixa uma bebê.

- Sidnei Ramis de Araujo
Sidnei, de 46 anos, foi o autor do crime. Ele é ex-marido de Isamara e pai de João Victor. Trabalhava como técnico em laboratório na área de ciência e tecnologia.

Autor de chacina era técnico em centro de pesquisas federal; veja perfil

Sidnei Araujo foi o autor da chacina em Campinas
Sidnei Araujo foi o autor da chacina em Campinas

O autor da chacina que vitimou 12 pessoas durante uma festa familiar de réveillon em Campinas (SP), entre a noite de sábado (31) e a madrugada deste domingo (1º), era funcionário do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), que reúne alguns dos principais laboratórios de estudos e inovação do governo federal. Por meio de nota, o centro lamentou o ocorrido e disse estar prestando auxílio à família de Sidnei Ramis de Araujo, que era técnico em laboratório na instituição.

De acordo com currículo de Araújo, preenchido por ele mesmo na plataforma Lattes, que reúne perfis de pesquisadores de todo o Brasil, ele já fez cursos de universidades conceituadas, como Oxford, na Inglaterra, e participou de várias pesquisas publicadas na comunidade científica. O nível de escolaridade dele é Ensino Médio completo, e, de acordo com o currículo, ele fez curso técnico mecânico no colégio Bento Quirino.

Araújo invadiu, pouco antes da meia-noite, a casa aonde a ex-mulher e o filho de 8 anos aguardavam a virada do ano com amigos e familiares, e matou a tiros os dois e outras 10 pessoas que participavam da festa. Ele brigava na Justiça com a ex pela guarda da criança.

Vizinhos e amigos acompanharam a retirada dos corpos
Vizinhos e amigos acompanharam a retirada dos corpos

O CNPEM divulgou nota oficial confirmando que Araújo fazia parte do corpo de funcionários do centro na função técnico especialista em instrumentação em um dos seus laboratórios. 

O autor cita o Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), que abriga a única fonte de luz deste tipo da América Latina, e é destaque no cenário científico brasileiro e mundial.

Perfil pessoal

De acordo com informações do boletim de ocorrência do caso, Sidnei nasceu em 27 de junho de 1970, portanto, tinha 46 anos. Ele era natural de Campinas e morava no Jardim Miranda, bem próximo ao local aonde o crime ocorreu, a aproximadamente 8 quilômetros do Centro de Campinas.

No perfil dele no Facebook, amigos lamentaram a morte do técnico e demonstraram surpresa. “Ele sempre foi maravilhoso. Crescemos juntos. Não dá para acreditar que ele fez essa barbaridade. Ele era um exemplo de pessoa”, comentou uma conhecida.

Outro amigo, também demonstrou surpresa com o ocorrido, lamentando a perda do técnico. "Perdi um amigo, mais do que um amigo, um irmão do coração, estou sem acreditar até agora de todas as vidas que ele tirou incluindo a sua, vá em paz irmão".
O corpo de Araújo será velado em Jaguariúna, cidade vizinha a Campinas, segundo o serviço funerário municipal.


Íntegra Nota do CNPEM

O Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) confirma que Sidnei Ramis de Araújo fazia parte de seu quadro de funcionários, ocupando o cargo de Técnico Especialista em Instrumentação de um de seus laboratórios.

O CNPEM lamenta profundamente o ocorrido e está em contato com os familiares do ex-colaborador para prestar auxílio.

Vítimas de chacina familiar são veladas juntas em Campinas, SP

Os corpos das 12 vítimas da chacina cometida contra uma família durante uma festa de réveillon na noite de sábado (31), em Campinas (SP), chegaram ao Cemitério da Saudade do município para serem velados no início da noite deste domingo (1º). Entre eles estão a ex-mulher e o filho de 8 anos de idade do autor do crime, que se matou após os assassinatos. O velório do autor dos disparos está sendo realizado na cidade vizinha, Jaguariúna (SP).

Sidnei Ramis de Araujo invadiu, pouco antes da meia-noite, a casa aonde a ex-mulher e o filho aguardavam a virada do ano com familiares, e matou a tiros os dois e outras 10 pessoas que participavam da festa. Ele brigava na Justiça com a ex pela guarda da criança.

Lista de vítimas

Isamara Filier
João Victor Filier de Araujo
Rafael Filier
Liliane Ferreira Donato
Alessandra Ferreira de Freitas
Antonia Dalva Ferreira de Freitas
Abadia das Graças Ferreira
Paulo de Almeida
Ana Luzia Ferreira
Larissa Ferreira de Almeida
Luzia Maia Ferreira
Carolina de Oliveira Batista

Velório recebe coroas de flores em homenagem à famíia que morreu
Velório recebe coroas de flores em homenagem à famíia que morreu

Despedida

Já no início da chegada dos corpos, o Cemitério da Saudade estava cheio de amigos da família, parentes e pessoas que não conheciam as vítimas, mas se solidarizaram após saber do fato pela imprensa. O clima no local  era de revolta, tristeza e indignação.

As vítimas estão sendo velados todas juntas em uma única sala. Segundo a administração do cemitério, eles esperam um movimento maior no início da noite.

Os sepultamentos foi realizado as 9h desta segunda-feira, (02/01/2017) sendo que, por se tratar de vários membros de uma única família, os sepultamentos forão feitos um de cada vez, de 15 em 15 minutos.

Escola em luto

A professora Tatiana Ferreira deu aula para João Victor Filier de Araujo há dois anos, 

Velório das vítimas da chacina em Campinas
Velório das vítimas da chacina em Campinas

quando ele estava no 1º ano do Ensino Fundamental. Ela foi até o cemitério se despedir do ex-aluno.
"Ele já entrou sabendo ler e escrever. E a mãe era um doce. Sempre atendia prontamente às solicitações da escola", lembrou. Ela disse que na escola o pai não era autorizado a buscar o filho, que só poderia ser levado pela mãe ou pelo motorista da van contratada por ela. Tatiana contou que na escola estão todos muito abalados.

José Carlos Feitosa Amorim é amigo da família. "É uma pena porque ele fez [atirou nas pessoas] isso de forma aleatória. Sou amigo da família, poderia estar lá também, mas essa reuião foi mais da família", declarou.

Vítimas da chacina são enterradas em Campinas
Vítimas da chacina são enterradas em Campinas

Centenas de pessoas, entre amigos, familiares e gente que se comoveu com a tragédia, acompanharam o sepultamento das 12 vítimas da chacina de Campinas (SP) na manhã desta segunda-feira (2).

Os corpos começaram a ser velados, todos juntos, no fim da tarde deste domingo (1º). Nessa manhã, as duas salas onde os corpos foram colocados ficaram completamente lotadas.

Vítimas da chacina são enterradas em Campinas
Vítimas da chacina são enterradas em Campinas

Por conta da quantidade de vítimas, os sepultamentos ocorrem de dois em dois, em sequência, a partir das 9h. Alguns caixões foram abertos para o último adeus dos familiares e amigos. Houve salvas de palmas e muita comoção. Os corredores do cemitério ficaram tomados de pessoas próximos às sepulturas e muitos jornalistas.

Fotos do sepultamento






Compartilhe:

Michel Belli

Poste um Comentário: