O Halloween está chegando e, com ele, uma das épocas mais sombrias do ano.

O Halloween está chegando e, com ele, uma das épocas mais sombrias do ano – isso é tão verdade que até mesmo quem não vive em países que comemoram o dia culturalmente acaba sendo contagiado com o imaginário nebuloso.


Nessa época, as pessoas usam fantasias assustadoras e apostam em decorações com temáticas que envolvam teias de aranha, esqueletos, caldeirões de bruxa e por aí vai. A regra, além da diversão, é conseguir criar cenários que causem realmente medo – mas será que é possível que esse medo seja tão grande ao ponto de realmente matar uma pessoa?

É possível, sim

Acredite ou não, a verdade é que as pessoas podem mesmo morrer de medo. A culpada por casos que possam ir ao extremo é a boa e velha adrenalina, o hormônio que corre pelo nosso corpo sempre que vivenciamos algo realmente intenso.

O medo coloca nosso corpo em um estado de alerta que faz com que a gente se prepare para duas ações específicas: fugir ou lutar. Isso é uma característica evolutiva que vem à tona sempre que identificamos uma ameaça.

Quando estamos em perigo, começamos a suar mais, os níveis de glicose no sangue são aumentados, e o ritmo do coração acelera. Tudo isso nos deixa menos racionais, mas prontos para tomar uma atitude imediata de sobrevivência.

Pode piorar

Esses processos todos acontecem por causa da ação da adrenalina, e o problema se dá quando há tanta adrenalina que nosso corpo não consegue se livrar dela; se o coração é banhado em uma adrenalina infinita, ele pode, sim, acabar parando de funcionar.

Essa substância faz com que nosso coração seja inundado por mais cálcio, o que faz com que o órgão tenha dificuldade para voltar a pulsar normalmente, como quando estava em repouso. Esse probleminha é conhecido como fibrilação ventricular, o que impede que os batimentos cardíacos bombeiem sangue para o resto do corpo – se não houver um tratamento imediato, a pessoa pode ter uma morte súbita.

É por isso que pessoas com problemas cardíacos devem se cuidar mais nesse sentido e, sempre que possível, evitar situações de risco e que promovam uma grande descarga de adrenalina.

Fonte: Mega Buzz

Compartilhe:

Karina Faris

Poste um Comentário: