O resultado confirmou que cada pensamento do ser humano gera uma emoção e uma reação bioquímica.

Para provar que como palavras com o poder de influenciar fisicamente o ambiente ao redor, uma professora curitibana Ana Paula Frezatto Martins fez um experimento simples usando dois potes de arroz cozido. O resultado confirmou que cada pensamento do ser humano gera uma emoção e uma reação bioquímica.


Ana Paula passou um pesquisador ou tema quando percebeu que precisava trabalhar uma negatividade nas aulas de Educação Física. Ao encontrar um estudo realizado pelo cientista japonês Masaru Emoto, ela envolveu os alunos e participantes para uma prática. Sentada na quadra de esportes da escola com alunos, uma educadora inserida e uma quantidade exata de arroz cozido dentro de dois potes e não colocou no meio do círculo criado por turma.

Ela pediu então que como crianças proferissem palavras negativas que normalmente ouvem no dia a dia. Os estudantes falaram, por exemplo, que não são nada para nada, que era imprestável, burro e não conseguiu fazer nada de bom. O recipiente foi selado.

Para o segundo vidro, Ana Paula pediu que como crianças proferissem palavras que gostariam de ouvir dos professores, da família e da sociedade de um modo geral. "Deixamos os dois potes fechados por 60 dias. Ao abrir os recipientes, pudemos perceber uma diferença: para que você conteve palavras malditas, o arroz apodreceu e embolorou. Ao contrário do que aconteceu com o outro pote, conta com professor.

O que eles ensaiam é uma proporção de arroz que é como palavras negativas e positivas que podem ser revertidas para o próprio corpo, o que é o que é o que é o que é um longo dos anos e vai repercutir negativamente ou positivamente, dependendo do que escuta. "Eu aprendi que a gente não é capaz de falar coisas ruínas e coisas boas. Já sinto a diferença ", diz a estudante Bruna Antunes de Lima, 10 anos, que participa de experimento.

Alunos testam poder das palavras com arroz (Foto: Divulgação)
Alunos testam poder das palavras com arroz (Foto: Divulgação)
Ana Paula disse que, como professora e mãe, tem se policiado mais no que fala e como fala. Também percebe isso no comportamento dos alunos. "Como crianças ainda estão vibrando com o resultado. Vejo que em dia de prova, se um está nervoso, o outro diz 'calma, você vai conseguir'. Eles estão com ajudado muito nessa questão ", afirma Ana. O importante para ela é deixar claro que a vida é feita de semeadura e colheita.

Sobre o experimento
Um estudo realizado pelo cientista japonês Masaru Emoto confirmou que cada pensamento do ser humano gera uma emoção e uma reação bioquímica e elas se manifestam sem organismo através dos sistemas: imunitário, nervoso central e endócrino.

Para testar sua teoria, Emoto congelou água em frascos de vidro com palavras escritas voltadas para o líquido. Em um segundo instante, o cientista fotografou os cristais formados sob a influência das palavras negativas e positivas. O resultado é o que é mais o que é o que é o que você quer dizer? Sabendo que a água possui uma capacidade para absorver informação na forma de diferentes elementos, Masaru Emoto quis investigar se ela também pode receber informação sobre as palavras.

Então, o cientista resolveu ir mais fundo e provar que como palavras como poder e influenciam como direções de vida das pessoas. Foi aí que decidiu realizar o experimento com o arroz.

Fonte: Gazeta do Povo

Compartilhe:

Karina Faris

Poste um Comentário: