Um caso médico extremamente raro ocorreu recentemente nos Estados Unidos.

Um caso médico extremamente raro ocorreu recentemente nos Estados Unidos: uma mulher engravidou enquanto já estava grávida, involuntariamente dando luz a dois bebês que não foram concebidos ao mesmo tempo.

Extremamente raro: mulher engravida enquanto já estava grávida

O que é ainda mais impressionante é que dois casais diferentes estavam envolvidos na produção dos bebês.
Jessica Allen, residente da Califórnia, estava atuando como “barriga de aluguel” para um casal chinês quando ficou grávida uma segunda vez de seu próprio namorado, agora marido.

O acordo

Allen já era mãe de dois meninos quando entrou em um acordo para carregar um bebê para um casal chinês, que desejava ter um filho.
Em troca de um pagamento de US$ 30.000, Allen recebeu tratamento de fertilização in vitro, no qual um dos embriões do casal chinês foi implantado em seu útero com sucesso.
O pagamento deveria ajudar Jessica e seu parceiro Wardell Jasper a comprar uma casa. Além disso, ela achava bonito o gesto de ajudar uma mulher a se tornar uma mãe.
A gravidez ocorreu tranquilamente até as seis semanas quando, durante um exame de rotina, os médicos de Allen notaram que ela estava carregando dois fetos, ao invés de apenas um.

O inesperado

Embora as chances de uma divisão embrionária fossem muito pequenas, isso poderia de fato acontecer.
Logo, na época, todos assumiram que os dois bebês eram gêmeos idênticos, resultado da separação do embrião do casal chinês.
Ninguém considerou a possibilidade de superfetação, um fenômeno extremamente raro em seres humanos no qual uma mulher grávida continua a ovular, sendo assim capaz de conceber um segundo filho, que se gesta simultaneamente ao lado do primeiro.
Embora seja infrequente em seres humanos – somente dez ou pouco mais casos foram relatados na literatura médica -, é um evento mais comum no reino animal, já observado em roedores, coelhos, cavalos, ovelhas e cangurus.

A surpresa

Allen concebeu, via cesárea, o que todos acreditavam ser dois garotos gêmeos. Ela não pode olhar ou segurar as crianças no hospital, mas uma foto que recebeu indicou que algo estava errado.
“Eu percebi que um era muito mais claro do que o outro”, disse Allen ao portal ABC News. “Obviamente, eles não eram gêmeos idênticos”.
Semanas depois, um teste de DNA confirmou que um dos bebês era do casal chinês, enquanto o outro tinha os genes de Allen e Jasper.
Depois de uma batalha legal com a agência que organizou a barriga de aluguel – e que exigia taxas para devolver o bebê aos seus pais genéticos -, Allen e Jasper finalmente se reuniram com seu filho, Malachi, já com quase três meses.
Embora casos de superfetação sejam incrivelmente raros, este caso foi ainda mais, porque, em última análise, envolveu dois pares diferentes de pais genéticos. Felizmente, houve um final feliz para Malachi que, agora com 10 meses de idade, vive com Allen e Jasper.

Compartilhe:

Michel Belli

Poste um Comentário: