Quem nasce no último dia regido por um signo também "herda" as características do próximo no calendário zodiacal

A cúspide é o ponto intermediário em que o Sol está em transição, atravessando o último grau de uma constelação para adentrar o primeiro grau da próxima. De uma maneira mais simples, é a data em que termina o período de nascimentos sob um signo e começa o período do próximo.


Quem nasce na cúspide (ou seja, no último dia de seu signo) acaba absorvendo também características do seguinte, tornando-se um nativo híbrido aos olhos da astrologia. Por exemplo: se a pessoa nasce no último grau de Gêmeos, ela também é nativa de Câncer, sem por isso deixar de expressar traços geminianos.

Mas isso não causaria uma “crise de identidade”? Nem tanto, porque a data de nascimento define um mapa astral com vários elementos e uma complexa relação entre eles. O signo “principal”, mesmo que seja um híbrido da cúspide, é só uma dessas pistas que delineiam a personalidade da pessoa.

Compartilhe:

Karina Faris

Poste um Comentário: