A esquizofrenia é uma desestruturação psíquica que faz com que a pessoa perca a noção da realidade e não consiga mais diferenciar o real do imaginário

O que é Esquizofrenia?
A esquizofrenia é uma desestruturação psíquica que faz com que a pessoa perca a noção da realidade e não consiga mais diferenciar o real do imaginário. É um dos principais transtornos mentais de que se tem conhecimento.
Inicialmente, foi descrita pelo psiquiatra Emil Kraepelin, ao final do século XIX. Na época, ele deu à doença o nome de Demência Precoce. Já no início do século XX, outro psiquiatra, Eugen Bleuler, por achar o termo anterior inadequado ao que a doença realmente representa para o paciente e também para a sociedade, nomeou-a de esquizofrenia.
O que é Esquizofrenia (Paranóide e mais tipos), sintomas, tem cura?

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o paciente esquizofrênico não é extremamente perigoso, assim como também não possui dupla personalidade. Esses equívocos são comuns pela falta de informação da população perante a doença.
Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a esquizofrenia é a terceira causa de perda de qualidade de vida entre os 15 e os 44 anos de idade, dentre todas as doenças. A doença atinge cerca de 1% da população mundial e acomete pessoas de qualquer idade, porém tem maior incidência no começo da adolescência até o começo dos 20 anos em homens e, em mulheres, no final dos 20 anos até o começo dos 30.
Pelo fato de se desenvolver justamente em um período em que os conflitos naturais da adolescência ou do início da vida adulta -, a esquizofrenia, muitas vezes, passa despercebida pelos pais do paciente e até mesmo do próprio. Isso acontece porque os sintomas são confundidos com crises existenciais, revoltas contra o sistema e/ou o mundo, alienação egoísta, etc.

Índice neste artigo você irá encontrar as seguintes informações:

  1. O que é Esquizofrenia?
  2. Tipos de Esquizofrenia
  3. Causas e Fatores de risco
  4. Os sintomas da Esquizofrenia
  5. Diagnóstico
  6. Tratamento
  7. A Esquizofrenia tem cura? Como conviver com ela?
  8. Complicações
  9. Prevenção

Tipos de Esquizofrenia

Atualmente, são existentes 8 tipos de esquizofrenia. Confira abaixo quais são e quais as suas características:

Esquizofrenia paranóica

A esquizofrenia paranóica se desenvolve, na maioria dos casos, em uma idade mais avançado do que os outros tipos. É o tipo de esquizofrenia mais comum e se caracteriza por insistentes alucinações e/ou delírio, bem como alterações na fala e nas emoções.

Esquizofrenia hebefrênica

Esse tipo de esquizofrenia geralmente tem desenvolvimento entre os 15 e os 25 anos de idade. Características como comportamentos e pensamentos desorganizados são muito comuns. Em contrapartida, delírios e alucinações, quando acontecem, passam de uma maneira muito rápida.

Esquizofrenia catatônica

A esquizofrenia catatônica possui características típicas sobre os movimentos e a fala, que podem alternar da extrema agitação para a extrema quietude. É a mais rara de todos os tipos.

Esquizofrenia indiferenciada

Esse tipo de esquizofrenia apresenta, normalmente, características de outros tipos, como a paranóica, a hebefrênica ou a catatônica, mas não se encaixa por completo em um deles.

Esquizofrenia residual

Pessoas afetadas por esse tipo de esquizofrenia já possuem um histórico de doenças mentais, porém só apresentam sintomas negativos conforme você verá a seguir.

Esquizofrenia simples

Os sintomas negativos são recorrentes nesse tipo de esquizofrenia e tendem a piorar de forma muito rápida. Já os sintomas positivos da doença são muito raros.

Esquizofrenia cenestopática

Na esquizofrenia cenestopática, o paciente possui características que não são abrangidas em nenhum outro tipo aqui relatados.

Causas e Fatores de risco

Ainda não se sabe ao certo quais as causas reais para a esquizofrenia. Porém, cientistas e pesquisadores acreditam que alguns fatores podem ter relação ou, ao menos, influenciar o desenvolvimento da doença em alguém.

Genética

Após diversas pesquisas realizadas, constatou-se que a genética é responsável por, pelos menos, 50% dos casos de esquizofrenia os outros 50% são decorrentes de fatores ambientais. A maior evidência desse dado é relacionado a estudos feitos com gêmeos idênticos, ou seja, pessoas que possuem os seus DNAs iguais.
Além disso, uma pesquisa norte-americana recente, publicada no dia 19 de outubro de 2016 no Jornal Nature, constatou que a doença é desenvolvida mais ativamente enquanto o cérebro do feto ainda está sendo formado. Outro ponto importante relatado na pesquisa é que o causador da doença não é composto apenas de um gene, mas sim de uma série deles o que é chamado de heterogeneidade.

Circuitos químicos do cérebro

As pessoas esquizofrênicas possuem regulações anormais em alguns de seus neurotransmissores e que, consequentemente, afetam células referentes ao pensamento e também ao comportamento.

Os sintomas da Esquizofrenia


Antes de conhecer quais são os sintomas característicos da esquizofrenia, é preciso atentar-se aos primeiros sinais que a doença causa. Confira abaixo:

Primeiros sinais da Esquizofrenia

Os sinais podem se apresentar de maneiras diferentes em cada pessoa. Às vezes, eles podem aparecer de forma branda, conforme os meses vão passando. Porém, em outras situações, esses sinais podem aparecer de forma bastante abrupta.
Dentre os comportamentos que podem estar diretamente relacionados com a esquizofrenia, estão:
  • Escutar ou ver algo que não existe;
  • Sentimento constante de estar sendo vigiado;
  • Maneira peculiar ou sem sentido de escrever ou falar;
  • Posição estranha do corpo;
  • Sentir-se indiferente diante de situações importantes;
  • Regressão na performance nos estudos ou no trabalho;
  • Mudanças na higiene pessoal e na aparência;
  • Mudanças na personalidade;
  • Afastamento muito visível de atividades sociais;
  • Respostas irracionais, com medo ou raiva aos parentes e/ou amigos;
  • Inabilidade em dormir ou concentração;
  • Comportamento inapropriado ou estranho;
  • Preocupação extrema com religião ou ocultismo.

Sintomas positivos

Considera-se como sintomas positivos tudo aquilo que não é normal de possuir, mas que o paciente possui. São caracterizados por comportamentos psicóticos que fazem com que a pessoa perca a noção de alguns aspectos sobre a vida.
Incluem-se em sintomas positivos:

Alucinações

Entende-se por alucinações aquilo que o paciente vê, ouve, tem cheiros e gostos ou, ainda, sente a presença de coisas que não existem, porém, para quem experiencia tudo isso, as alucinações são bem reais.
A alucinação mais comum entre os esquizofrênicos é a de ouvir vozes. Grande parte dos pacientes dizem que elas são rudes, críticas, abusivas ou perturbadores, mas há aqueles que dizem que essas vozes são amigáveis e agradáveis.
Normalmente, pessoas com esquizofrenia fazem atividades, discutem pensamentos ou conversam diretamente com essas vozes. Além disso, elas podem vir de diferentes lugares ou apenas de um em particular.

Delírios

O delírio acontece quando alguém tem plena convicção de que algo está acontecendo e de que ele é o alvo de alguma perseguição ou espionagem. Por conta disso, seus comportamentos são afetados, o que pode tornar a pessoa em alguém mais agressivo.
Episódios de delírio podem ter início de forma repentina ou podem se desenvolver ao longo do tempo semanas ou meses.

Pensamentos desordenados

Por conta dessas alucinações e delírios, muitas pessoas que sofrem do transtorno esquizofrênico podem ter dificuldade em ordenar os seus pensamentos e ações, o que acaba afetando, inclusive, a maneira de se comunicar e/ou falar com outras pessoas. Alguns pacientes dizem que sentem a mente “nebulosa”, impossibilitando de trabalharem melhor os pensamentos.

Movimentos desordenados (movimentos agitados)

Pessoas com esquizofrenia, às vezes, podem apresentar movimentos desordenados e/ou agitados de uma hora para outra e sem um motivo aparente. Ainda por conta das alucinações, pacientes afirmam que isso acontece por conta de outra pessoa que a está controlando.

Sintomas negativos

Ao contrário dos positivos, os sintomas negativos faz parte da fase crônica da doença e são caracterizados pela falta das emoções e comportamentos normais de uma pessoa. Dentre os sintomas, estão:

Redução da expressão de emoções através da fala ou tom de voz

Pacientes que possuem esse sintoma característico normalmente não são capazes de praticar a empatia, sentimento que faz alguém compreender o que o outros está passando/sentindo. Porém, isso não significa que a pessoa não tenha sentimentos ou algo do tipo, mas apenas que, no momento, ela é incapaz de demonstrar o que se passa.

Dificuldade em iniciar e sustentar uma atividade

Para quem não entende sobre os sintomas da esquizofrenia, essa falta de vontade em iniciar ou sustentar algo pode ser interpretada apenas como preguiça por parte do paciente. Entretanto, a complexidade da questão é muito maior, pois o ato de começar algo torna-se desafiador. Por conta disso, muitas pessoas acabam optando por realizar atividades passivas, que não exigem tanto esforço nem raciocínio, como assistir televisão.

Sentimento de prazer diminuído ao longo dos dias

Não importa o quanto algo dê prazer àquele paciente, ele não irá responder de maneira positiva à prática da atividade em questão. O prazer é reduzido e, por isso, muitas vezes a pessoa com esquizofrenia acaba abandonando algo pela metade.

Redução da fala

Falas e pensamentos podem perder uma lógica de encadeamento quando proferidos por alguém esquizofrênico. Para quem convive com o paciente, é muito importante a compreensão das frases, para que ele se sinta acolhido e apoiado.

Sintomas cognitivos

Em alguns pacientes, esses sintomas são bem brandos, mas, em outros, são mais graves e perceptíveis. Alguns dos sintomas cognitivos presentes na esquizofrenia são:

Dificuldade em tomar decisões

Com pensamentos muito peculiares, os esquizofrênicos acabam não compreendendo muita coisa do que lhe é dito e, por esse fato, fazem decisões imaturas num primeiro momento.

Dificuldade em prestar atenção em algo

Pacientes esquizofrênicos são mais distraídos e dispersos daqueles que não são, ações que acabam prejudicando a leitura e/ou a escrita. Por não conseguirem se focar 100% em algo, acabam tendo prejuízo, também, na hora de compreender algo.

Capacidade de compreensão baixa

Pelo fato de muitos pacientes não conseguirem se manter atentos a algo que está sendo explicado, alguns deles não conseguem compreender, de fato, o que está acontecendo.

Problemas com memória

Com a falta de compreensão das coisas, muitas pessoas acabam esquecendo coisas que foram lhe ditas ainda há pouco. O aprendizado também pode ser afetado por conta dessas falhas na memória, tendo que pedir explicação sobre algo mais de uma vez.

Sintomas neurológicos

Pacientes que possuem a doença em sua forma mais precoce ou grave, podem apresentar sinais neurológicos, tais como:
  • Tiques faciais;
  • Prejuízo em determinados movimentos (o que deixa o paciente mais desajeitado ou estabanado);
  • Movimentos mais bruscos e descoordenados;
  • Aumento na frequência do piscar de olhos;
  • Desorientação sobre direita-esquerda.
Muitos desses sintomas estão presentes em outros transtornos também, como Transtorno de Tiques e Síndrome de Gilles de La Tourette, o que dificulta ainda mais na hora de realizar um diagnóstico.
Não se sabe ao certo o motivo desses sintomas acontecerem, até porque grande parte dos pacientes não os possui. Porém, para quem apresenta os sintomas, eles acabam passando despercebidos por pessoas que não possuem grande intimidade.

Sintomas comportamentais

Por conta dos sintomas acima citados, alguns comportamentos dos pacientes podem ser afetados também. Mais uma vez: eles podem se apresentar de maneiras diferentes, vai depender muito de cada caso.
Os comportamentos que podem ser recorrentes quando há um quadro de esquizofrenia são:

Suicídio

Uma tentativa de suicídio pode acontecer tanto na fase aguda da esquizofrenia quanto na crônica e, para que isso não venha a acontecer, amigos e familiares precisam ficar atentos se o paciente está reclamando de forma recorrente sobre vozes ou se ele está se auto mutilando.
As tentativas de suicídio não são raras quando relacionadas à esquizofrenia e já somam em 50% entre os pacientes da doença. Dessas, cerca de 15% resultam em um final trágico a morte.

Agressividade

Pacientes agressivos são raros, pois a agressividade não é um sintoma comum na esquizofrenia. Porém, casos isolados de reações impulsivas ou ataques de raiva e/ou fúria podem acontecer.

Manias repetitivas

Resistentes a mudanças, alguns pacientes tem certa dificuldade em sair do padrão pré-estabelecidos por eles. Manias de higiene, vestuário ou alimentação são apenas alguns exemplos das que podem acontecer. Algumas pessoas com esquizofrenia, ainda, podem desenvolver rituais e repetições muito parecidas com as do Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC).

Conversar sozinho / Rir sem motivo

Como vários esquizofrênicos escutam vozes, eles podem passar a ideia de que estão conversando sozinhos, quando, na verdade, estão apenas dialogando com quem está tão presente em seu dia a dia. O mesmo pode acontecer com risos imotivados. Esses sintomas são involuntários e automáticos e, por isso, muitas vezes não podem ser controlados.

Sintomas em adolescentes

Os sintomas em adolescentes são bem semelhantes aos apresentados nos adultos. Entretanto, nesses casos, eles são bem mais difíceis de serem reconhecidos. Isso acontece, muitas vezes, pelo fato de serem confundidos com comportamentos típicos da adolescência, como por exemplo:
  • Afastamento de amigos e familiares;
  • Queda de desempenho na escola;
  • Problemas para dormir;
  • Irritabilidade ou humor deprimido;
  • Falta de motivação.
Comparando com os dos adultos, alguns sintomas podem aparecer exclusivamente em adolescentes, para mais ou para menos:
  • São menos propensos a terem delírios;
  • São mais propensos a terem alucinações visuais.

Diagnóstico

Um paciente, para ser diagnosticado com esquizofrenia, precisa ficar em observação por um psicólogo ou médico psiquiatra, que irá avaliar suas ações e comportamentos. Caso a suspeita da doença seja confirmada, o especialista pedirá informações referentes ao histórico clínico do paciente.
Ainda não há nenhum exame capaz de detectar a presença da esquizofrenia em alguém, porém alguns testes podem ser feitos a fim de eliminar suspeitas de outras doenças que possuem sintomas semelhantes em seu processo de desenvolvimento.
Esses testes são:
  • Exames de sangue;
  • Estudos de imagem para descartar tumores e/ou problemas na estrutura do cérebro;
  • Avaliação psicológica para avaliar o estado mental da pessoa, bem como analisar comportamentos e a aparência.

Critérios para o diagnóstico

Como não há um exame específico para a detecção da esquizofrenia, alguns especialistas utilizam-se de critérios estabelecidos pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Portanto, para que uma pessoa seja diagnosticada como esquizofrênica, ela precisa apresentar:
  • Pelo menos dois sintomas típicos, como: Delírios; Comportamentos desorganizados; Fala desorganizada; Alucinações; Sintomas negativos que durem, pelo menos, 4 semanas.
  • Deficiência considerável na capacidade escolar ou, ainda, nas funções profissionais ou domésticas.
  • Sintomas que persistem por 6 meses ou mais.

Tratamento

O tratamento para a esquizofrenia pode ser dividido em 4 tipos, sendo os mais importantes o medicamentoso e o acompanhamento psicológico. Entenda melhor cada um deles a seguir.

Medicamentos para Esquizofrenia

Os medicamentos normalmente são utilizados para controlar os sinais e os sintomas que a doença causa no paciente. O psiquiatra poderá tentar vários tipos de medicamentos em diferentes doses e composições -, até encontrar o que obtém o melhor resultado.
Os medicamentos mais indicados para esquizofrenia são divididos em 3 grupos, que são:

Antipsicóticos típicos (ou “convencionais”)

Esses medicamentos controlam os sintomas positivos, como as alucinações e delírios. Dentre eles, estão:
  • Anafranil;
  • Clomipramina;
  • Clorpromazina;
  • Haloperidol;
  • Haldol;
  • Mesoridazina;
  • Perfenazina;
  • Flufenazina;
  • Tioridazina;
  • Tiotixeno;
  • Trifluoperazina.
Efeitos colaterais ocasionados pelo uso desses medicamentos são bastante recorrentes. Dentre esses efeitos, estão:
  • Boca seca;
  • Visão borrada;
  • Constipação;
  • Sonolência;
  • Vertigens.

Antipsicóticos atípicos (ou da “nova geração”)

Os medicamentos pertencentes a esse grupo tratam tanto os sintomas positivos quanto os negativos. Eles são:
  • Aripiprazol;
  • Bromazepam;
  • Lexotan;
  • Equilid;
  • Asenapina;
  • Clozapina;
  • Olanzapina;
  • Paliperidona;
  • Quetiapina;
  • Risperidona;
  • Zap;
  • Ziprasidona.

Agentes antipsicóticos variados

Esses medicamentos possuem uma função diferentes dos medicamentos pertencentes aos outros dois grupos. Eles são usados para tratar a agitação presente em pessoas com esquizofrenia.
O Loxapina é o medicamento mais indicado dentro desse grupo.

Acompanhamento psicológico

Além do uso de medicamentos, é importante, em paralelo, fazer acompanhamento psicológico também, além de intervenções sociais. As formas de terapias podem ser:
  • Terapia individual: Essa terapia pode auxiliar o indivíduo a normalizar os seus pensamentos, além de fazer com que ele aprenda a lidar com o estresse e identificar sinais precoces de recaída.
  • Treinamento de habilidades sociais: Visa a melhoria da comunicação e das interações sociais, incluindo as necessárias em atividades diárias.
  • Terapia familiar: Super importante para fornecer suporte e educação sobre a esquizofrenia para familiares de pessoas que sofrem da doença.
  • Readaptação profissional: Auxilia a pessoa para encontrar e manter um emprego.

Hospitalização

Pessoas que estejam durante uma crise, ou que apresentem sintomas muito severos da doença, talvez precisem ser internadas para preservar a sua segurança, nutrição, sono e higiene básica.

Terapia eletroconvulsiva

Aqueles que não respondem ao tratamento medicamentoso, a terapia eletroconvulsiva é uma opção a ser considerada. Ela consiste na provocação de alterações na atividade elétrica do cérebro induzidas por passagem de correntes elétricas.
Atenção! 
NUNCA se automedique ou interrompa o uso de um medicamento sem antes consultar um médico. Somente ele poderá dizer qual medicamento, dosagem e duração do tratamento é o mais indicado para o seu caso em específico. As informações contidas nesse site têm apenas a intenção de informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um especialista ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Siga sempre as instruções da bula e, se os sintomas persistirem, procure orientação médica ou farmacêutica.

A Esquizofrenia tem cura? Como conviver com ela?

Ainda não há como comprovar a cura para a esquizofrenia, porém a doença pode ser muito bem controlada através das formas de tratamento indicadas ao paciente. Para conviver sem maiores complicações com a doença, algumas medidas precisam ser consideradas:

Ajudando a si mesmo

Se você possui esquizofrenia, algumas maneiras de controlar a sua doença são as seguintes:
  • Controle o estresse: O estresse pode ser um gatilho para a psicose, portanto, mantê-lo sob controle é essencial para a sua melhora.
  • Tente praticar o sono em abundância: Quando o uso de medicamentos é feito, muito provavelmente você precisará de mais de 8 horas diárias de sono. Muitos esquizofrênicos possuem problemas com sono, mas algumas práticas podem fazer com que isso melhore. A prática de exercícios regulares e evitar cafeína são algumas delas.
  • Evite o uso de álcool e drogas: O abuso de qualquer substância química afeta os efeitos dos medicamentos, além de fazer com que os sintomas piorem.
  • Mantenha relações: Procure manter os seus amigos e familiares inseridos em sua vida e em seu plano de tratamento. Se você considerar a participação em grupos de apoio, participe!

Ajudando um membro da família ou amigo

Aprender sobre os distúrbios psicóticos e a esquizofrenia irá te ajudar a compreender o que o paciente experiencia. Além disso, há algumas formas de suporte a ele, que são:
  • Responda calmamente: Para o paciente, as alucinações parecem reais. Então, procure conversar de forma calma com ele, explicando que você vê as coisas de uma forma diferente, além de respeitá-lo.
  • Preste atenção nos gatilhos dos sintomas: Com isso, você pode ajudar com que o paciente evite a prática ou ingestão de substâncias que prejudiquem a sua saúde mental.
  • Ajude-o com os medicamentos prescritos: Muitos pacientes se questionam se precisam realmente fazer uso da medicação. Nesses momentos, você precisará incentivar seu conhecido a fazer uso dela da maneira correta.
  • Entenda a falta de consciência do paciente: Algumas pessoas que sofrem de esquizofrenia não tem a noção de que realmente possui a doença. Portanto, não tente convencê-las disso, apenas as apoie e se mostre prestativo.
  • Ajude a pessoa a evitar drogas e álcool: Se você tem conhecimento de algum tipo de vício químico pelo paciente, ajude-o a evitar o consumo das substâncias, pois elas podem desencadear uma piora considerável nos sintomas.

Complicações


Quando não tratada, a esquizofrenia pode causar diversos problemas e limitações na vida do paciente. Algumas complicações da doença podem ser causadas ou associadas a:
  • Suicídio, tentativas de suicídio ou pensamentos suicidas;
  • Ferir a si mesmo;
  • Desordens de ansiedade e de transtorno obsessivo-compulsivo;
  • Depressão;
  • Abuso de álcool ou drogas, incluindo o tabaco;
  • Inabilidade de trabalhar ou acompanhar a escola;
  • Problemas financeiros;
  • Isolamento social;
  • Problemas de saúde;
  • Vitimizar-se demais;
  • Comportamento agressivo.

Prevenção

Não há uma maneira de prevenir a esquizofrenia ou qualquer outro distúrbio mental. Porém, vale ressaltar que, quanto mais cedo a doença for diagnosticada, melhor será o tratamento e maior será o controle dos sintomas.
Compartilhe esse artigo com os seus amigos e familiares e ajude-nos a espalhar cada vez mais essas informações às pessoas!
Referências
http://entendendoaesquizofrenia.com.br/website/
http://www.nami.org/Learn-More/Mental-Health-Conditions/Schizophrenia
http://www.psicosite.com.br/tra/psi/esquizofrenia.htm
https://www.rethink.org/diagnosis-treatment/conditions/schizophrenia
http://www.webmd.com/schizophrenia/guide/mental-health-schizophrenia
http://www.mentalhealthamerica.net/conditions/schizophrenia
https://www.nimh.nih.gov/health/topics/schizophrenia/index.shtml
http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/schizophrenia/home/ovc-20253194
http://www.medicalnewstoday.com/articles/36942.php
http://www.nhs.uk/Conditions/Schizophrenia/Pages/Introduction.aspx
http://edition.cnn.com/2016/10/19/health/schizophrenia-genome-study/index.html

Compartilhe:

Michel Belli

Poste um Comentário: