Um animal cuja picada pode matar um ser humano adulto em cerca de 20 minutos é digno de ser temido, não é?

Um animal cuja picada pode matar um ser humano adulto em cerca de 20 minutos é digno de ser temido, não é? Principalmente quando incluímos nesse pacote os troféus de serpente mais venenosa da África e cobra de locomoção terrestre mais veloz do mundo. Estamos falando da mamba-negra, uma das serpentes mais perigosas que existem e objeto de inspiração para diversos mitos africanos.


Essa não é uma cobra que você vai querer deixar dormindo com seu filho nem permitir que lhe faça uma massagem. A mamba-negra é um animal extremamente rápido e que se torna altamente agressivo quando se sente em perigo. Seu veneno é potencialmente fatal e, ainda que já tenha sido desenvolvido um soro antiofídico, ele dificilmente será encontrado para curar uma vítima mordida na África Meridional e Ocidental, habitat comum da espécie. Por esse motivo, ela é considerada a cobra responsável pelo maior número de mortes entre os 20 mil óbitos anuais de pessoas atacadas por serpentes no planeta.


Características físicas
Diferente do que se pensa, a mamba-negra tem uma superfície externa cobrindo sua pele dorsal que varia entre as cores marrom, verde-oliva, caqui e cinza. Seu nome veio, na verdade, da coloração azul-escuro, quase preta, no interior da sua boca que se faz presente sempre que ela se sente ameaçada.

A cabeça é estreita e alongada e seu corpo pode chegar a medir 4 metros, sendo considerada a segunda maior serpente venenosa do mundo — perdendo apenas para a cobra-rei, que chega a 5,6 metros. Na vida selvagem, esta espécie pode viver mais de 11 anos.

Habitat
A mamba-negra pode ser encontrada nas savanas, florestas e pedreiras no leste e sul da África, em países como Angola, Quênia, Tanzânia, Moçambique e Zimbábue. Ela gosta de ambientes abertos e dorme muitas vezes em árvores ocas, fendas de rochas e tocas.



Comportamento
Se você for perseguido por uma mamba-negra, talvez correr não seja a melhor opção. Ela pode se locomover a quase 20 quilômetros por hora, o que equivale praticamente à média de um maratonista profissional.

Essa serpente tem hábitos de caça diurnos, voltando para o mesmo lugar à noite para dormir, e frequentemente vive em pares ou pequenos grupos. É tímida e foge ao ver seres humanos, mas é também conhecida por ser muito nervosa. Ao se sentir ameaçada, torna-se agressiva, levantando seu corpo a até 1 metro do chão. A partir daí, ela balança a cabeça, abrindo a boca para exibir o interior negro, emite um sibilo alto e alerta, através desses sinais, que está disposta a atacar. Essa postura é para que a cobra possa mirar melhor onde pretende atacar. Se o predador ou humano em questão não recua, ela dá o bote — ou inicia a perseguição. No assalto, a mamba-negra ataca rapidamente várias vezes e depois foge.

Alimentação
Normalmente, a mamba-negra se alimenta de mamíferos, como ratos, esquilos e morcegos, além de pequenas aves. Porém, existem relatos de pessoas que afirmam ter encontrado araras e até outras serpentes adultas no estômago de cobras dessa espécie. Quando caça animais menores, a mamba-negra pica e aguarda até que sua presa fique totalmente paralisada. Já quando se trata de grandes animais, ela ataca e solta a presa. Em seguida, os segue esperando que fiquem paralisados ou morram.

Ela devora sua comida por completo, feito que é atribuído às suas mandíbulas flexíveis que se deslocam, permitindo que engula presas até quatro vezes maiores que o tamanho de sua cabeça. A digestão dura de 8 a 10 horas.


Reprodução
Essa é uma serpente que se reproduz apenas uma vez no ano, entre a primavera e o verão. Machos disputam entre si pela fêmea e, após a cópula, 6 a 25 ovos se desenvolvem por cerca de dois meses no corpo da progenitora.

Mambas-negras são mães “desprendidas”. Elas deixam seus ovos num ninho seguro e nunca mais os veem novamente. Mais dois ou três meses e os filhotes nascem, independentes e caçando por conta própria, com uma média de 50 centímetros de comprimento e tão peçonhentos quanto seus pais.

Veneno
Apenas duas gotas do veneno são o suficiente para matar um ser humano adulto. A peçonha da mamba-negra está carregada com neurotoxinas que desligam o sistema nervoso, paralisando a vítima por completo. Sem o soro, a probabilidade de óbito é de 100%. O tempo da morte pode variar de menos de meia hora a até quatro horas. No entanto, se o soro não for aplicado nos primeiros 20 minutos, torna-se quase impossível reverter o envenenamento.

Curiosamente, pesquisadores franceses descobriram recentemente propriedades analgésicas nesse veneno que são tão eficazes no combate à dor quanto a morfina. A substância, apelidada de “mambalgina”, não apresentou efeitos colaterais da morfina — depressão respiratória — quando experimentada em roedores, porém o medicamento ainda está em testes e deverá demorar um pouco para ser comercializado.

Outras mambas
Há também outras três espécies de mambas na natureza que são menores e menos venenosas que a mamba-negra — ainda assim, muito peçonhentas. Todas elas são de coloração verde brilhante e vivem em árvores, frequentemente executando o bote enquanto caem dos galhos sobre suas presas:

  • Mamba-verde-ocidental: seu comprimento pode chegar a 3 metros e é a segunda cobra mais venenosa da África, ficando atrás apenas da mamba-negra.
  • Mamba-verde-oriental: é a menor das mambas, chegando a medir no máximo 1,5 metro. É encontrada nas florestas da África Oriental.
  • Mamba-de-jameson: com um dorso fino, pode chegar a 2,4 metros e vive na África Central e Ocidental.
Compartilhe:

Karina Faris

Poste um Comentário: