Nenhum estudo até agora conseguiu relacionar a prática do xadrez ao aumento de QI.

Nenhum estudo até agora conseguiu relacionar a prática do xadrez ao aumento de QI.



Mas o jogo pode estimular habilidades associadas à inteligência. Em um projeto realizado em uma escola pública do Mato Grosso, 750 alunos jogaram xadrez semanalmente, por um ano. Ao final do experimento, os estudantes obtiveram ganhos em atenção, concentração, julgamento e planejamento.

O que ocorre algumas vezes são pequenos prodígios do esporte, como o pequeno russo Misha Osipov, de 4 anos. O geniozinho já jogou ao vivo, na TV, contra o ex-campeão mundial Anatoly Karpov, uma lenda do xadrez. Veja um pouquinho da história dele abaixo:

Agora você pode estar pensando: ok, a precocidade de Misha não quer dizer que o xadrez turbine a inteligência. E você está meio certo. Embora o jogo de tabuleiro não deixe nenhuma pessoa mais inteligente, ele tem sido usado como ferramenta para desenvolvimento de inteligência artificial.

E está dando certo. A AlphaZero, inteligência artificial desenvolvida pelo Google, superou o software de xadrez mais poderoso do mundo, o Stockfish 8, no finzinho de 2017 – numa maratona de 100 jogos.

Fontes: artigo Xadrez: uma ferramenta para aprimorar a mente humana, de João Paulo Lopes de Miranda; Elisabete Castelon Konkiewitz, neurocientista; Cleiton Santana, presidente da Federação Mato Grossense de Xadrez; e Shelley H. Carson, professora de psicologia em Harvard

Compartilhe:

Karina Faris

Poste um Comentário: