Há alguns dias vem sendo divulgada na internet a notícia de que o inverno de 2018 será o mais gelado dos últimos 100 anos.

Há alguns dias vem sendo divulgada na internet a notícia de que o inverno de 2018 será o mais gelado dos últimos 100 anos. A informação é de que a queda brusca na temperatura seja consequência do La Niña, fenômeno climático responsável pelo resfriamento da superfície do Oceano Pacífico.


Mas, infelizmente, para quem gosta de frio e ficou animadinho com a notícia, não é agora que você vai estrear aquele seu cobertor reforçado. Ao contrário das informações que estão circulando, meteorologistas afirmam que o inverno de 2018 está longe de ser o mais frio do século ou, sequer, da última década.

Por que o inverno de 2018 NÃO será o mais frio
Quem entende do assunto diz que essa é uma afirmação muito precipitada de se fazer. Tecnicamente, o que se pode adiantar é que o inverno de 2018 será mais fria que a do ano passado, com possibilidades de picos pontuais na temperatura.

Além disso, ao invés de tardes secas e ensolaradas, a tendência esse ano é de que as tardes sejam mais nubladas e chuvosas, pelo menos da região Sudeste.

O que realmente o La Niña faz?
E sim, essa queda na temperatura é mesmo resultado do La Niña, embora não na intensidade como estavam comentando. Isso acontece, conforme especialistas, porque o fenômeno permite a entra de mais frentes frias, que baixam a temperatura das águas do Pacífico.

Isso, sem contar com a correlação entre as ondas de frio e a atividade solar. Ao que tudo indica, o sol tem um ciclo de 11 anos em que se aproxima e se afasta da Terra. Esse ano, exatamente, ele atinge seu auge de afastamento, situação que deve se prolongar pelos próximos dois anos, pelo menos.

Compartilhe:

Karina Faris

Poste um Comentário:

0 comments so far,add yours