Você faz mais o estilo “Dercy Gonçalves” de ser, com a boca bem suja; ou você é uma pessoa meiga e fofinha quando o assunto é palavrão?

Você faz mais o estilo “Dercy Gonçalves” de ser, com a boca bem suja; ou você é uma pessoa meiga e fofinha quando o assunto é palavrão? Apesar da sociedade querer fazer todo mundo ser mais ponderado e pensar duas vezes antes de soltar aquele palavrão, a Ciência só vem provando que pessoas que xingam sem pudor estão com a vantagem.


Um estudo realizado em 2015, mostrou, por exemplo, que pessoas que falam palavrão com frequência têm o QI maior. Os cientistas conseguiram identificar que as pessoas que conseguiam distribuir palavrões pelo maior número de vezes, em um intervalo de um minuto, tinham uma pontuação muito mais elevada quando o assunto eram os testes de Quociente de Inteligência, ou o famoso QI.

A explicação, segundo eles, é que pessoas que têm um vasto “depósito” de palavrão na cabeça conta com mais força de retórica e são mais capazes de argumentar e de formar ideias. A mesma coisa foi comprovada com relação àqueles que são bagunceiros e que dormem mais tarde.

Mais palavrão, mais honestidade
Um outro estudo científico mostrou também que quem fala palavrão costuma ser mais honesto e sincero que as pessoas que se contém. Para chegar a essa conclusão, os pesquisadoras levaram em consideração o comportamento de 276 participantes.

No final, os cientistas perceberam que quem tende a falar palavrão com frequência utiliza as palavras de baixo calão como forma de se expressar e não para ferir o próximo. Além disso, testes realizados com voluntários apontaram que pessoas que não reprimem um palavrão cabeludo também tendem a ser mais íntegras.

Mais palavrão, mais felicidade

E, por último, mas talvez o mais importante de tudo que já elencamos aqui, a Ciência conseguiu comprovar também que quem não tem medo de dizer palavrão também costuma ser mais feliz que a maioria.

Conforme estudos, xingar tem efeito direto no alívio de dores, favorece a expressão dos sentimentos, promove conexões sociais (por incrível que pareça), melhora a saúde física e mental, a circulação sanguínea, libera endorfina, deixa a pessoa mais calma e assim vai.

Resumindo: se você não fala palavrão, caro leitor, comece a falar. Só não faça isso perto da sua mãezinha, porque aí as coisas podem ficar menos “felizes”.

Compartilhe:

Karina Faris

Poste um Comentário:

0 comments so far,add yours